Amigo pede extratos bancários de Bruno Borges e alega falta de veracidade em prestação de contas

189
Advogado de Bruno Borges afirma que vai entregar extratos somente se houver determinação judicial. Requerimento foi feito por Márcio Gaiote em fevereiro deste ano.

Por Quésia Melo, G1 AC, Rio Branco

Márcio Gaiote processou Bruno Borges alegando que jovem não repassou lucro da venda de livros conforme foi estabelecido em contrato (Foto: Reprodução/Tácita Muniz/G1)

Márcio Gaoite pediu na Justiça os extratos bancários do amigo Bruno Borges, de 25 anos, que ficou conhecido como ‘Menino do Acre’. A defesa de Gaiote entrou com o pedido em 27 de fevereiro e alega falta de veracidade na planilha de prestação de contas entregue por Borges com os detalhes das vendas dos livros do acreano.

A solicitação faz parte do processo movido por Gaiote contra Bruno em janeiro deste ano. Gaiote alega não ter recebido 4% dos lucros da venda dos livros conforme estabelecido no contrato de sociedade intitulado “Projeto Enzo” que inclui 14 obras lançadas pelo estudante de psicologia.

Ao G1, Athos Borges, pai do estudante, afirmou que a família vai se manifestar somente em juízo. O estudante já afirmou, logo após ser processado, que iria publicar todas as suas obras de forma gratuita na internet. Ao G1, o pai do jovem disse, em 12 de janeiro, que o filho decidiu não cobrar mais pelos livros para acabar com as especulações envolvendo seu nome.

Já o advogado de Borges, Edmar Monteiro, disse que não devem entregar os extratos bancários. Segundo ele, a planilha feita pela editora dos livros contém informações de custos, tiragens e vendas realizadas.

“A editora foi responsável pela publicação e vendas dos livros. Ele [Gaiote] alega, por meio de reportagens, que a venda teria sido maior do que realmente foi. Contestamos a primeira petição da prestação, ele se manifestou contra a planilha que foi entregue. Agora vamos aguardar a audiência e apresentar esses extratos somente caso seja solicitado pelo juízo, se isso não ocorrer não vamos apresentar”, afirma.

Contrato foi achado pela Polícia Civil durante investigação e os documentos estabeleciam regras para a divulgação e venda dos direitos dos 14 livros (Foto: Aline Nascimento/G1)

Contrato foi achado pela Polícia Civil durante investigação e os documentos estabeleciam regras para a divulgação e venda dos direitos dos 14 livros (Foto: Aline Nascimento/G1)

Além dos extratos bancários, Gaiote também pede uma perícia contábil para atestar a veracidade da documentação e que as contas apresentadas anteriormente sejam refeitas.

“Apresentou a planilha, mas não comprovou os valores que estavam nela. Estamos impugnando esse documento, pois há uma contradição da própria coach literária. Ela não mostrou nenhum comprovante e é necessário um relatório minucioso.

Bruno Borges desapareceu por vontade própria e deixou 14 livros criptografados. Gaiote tem direito a 4% dos lucros, conforme estabelecido em contrato  (Foto: Reprodução/Rede amazônica Acre)

Bruno Borges desapareceu por vontade própria e deixou 14 livros criptografados. Gaiote tem direito a 4% dos lucros, conforme estabelecido em contrato (Foto: Reprodução/Rede amazônica Acre)

Quanto à liberação dos livros de forma gratuita na internet, Martins diz que não tem conhecimento dessa decisão, mas que o caso implica quebra de contrato.

“Ele tem sócios e não pode simplesmente, por livre e espontânea vontade, tomar uma decisão dessas. Isso incide penalidades, mas ainda não tomei conhecimento”, garante.