Após casos confirmados de meningite no AC, especialista fala sobre os riscos da doença

193

Saúde confirmou, neste sábado (22), seis casos de meningite e duas mortes pela doença no Acre em 2019.

Por G1 AC — Rio Branco

Médica infectologista alerta população do AC sobre os riscos da meningite

Médica infectologista alerta população do AC sobre os riscos da meningite

Após a confirmação de seis casos de meningite e duas mortes pela doença no estado, em 2019, a médica infectologista Cirley Lobato conversou com uma equipe da Rede Amazônica Acre e alertou sobre os riscos da doença.

“Os casos de meningite ocorrem, principalmente, nos extremos de idade, ou seja, em criança ou idoso. Isso não quer dizer que um jovem ou adulto não pode pegar a doença. As principais complicações e sequelas são a surdez, cegueira, ou seja, são mais manifestações neurológicas. E, muitas vezes, dependendo do grau do comprometimento do cérebro, o paciente pode ter alguma deficiência de movimento”, afirma Cirley.

A especialista destaca que a melhor maneira de prevenir a doença continua sendo a vacina. Além disso, evitar ambientes aglomerados e fazer a higiene pessoal também é importante.

“Nós observamos muito mais a ocorrência da doença no inverno e primavera. Uma coisa interessante na nossa região e que é um fator que precisamos estar atentos, são essas mudanças bruscas de temperatura. Essa frente fria que vem e todo mundo gosta, pode facilitar a disseminação de uma bactéria ou vírus”, explica a especialista.

A rede pública oferece as vacinas que previnem a doença, porém, apenas no calendário vacinal infantil. Após isso, é oferecida para pacientes que tenham deficiência imunológica, ou seja, baixa defesa, como os idosos, pessoas que possuem HIV, Aids, pacientes em tratamento contra câncer, ou hepatite.

A rede particular também oferece. A vacina A, C, W e Y, que serve para 4 tipos da doença, por exemplo, custa em média R$ 450. E a vacina B pode chegar até R$750.

Acre tem 21 casos notificados de meningite. Arquivo — Foto:  Reprodução/TV TE

Acre tem 21 casos notificados de meningite. Arquivo — Foto: Reprodução/TV TE

Casos da doença em 2019

Após a internação de um paciente com meningite bacteriana em Rio Branco, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) divulgou, neste sábado (22), um boletim epidemiológico com os casos notificados, confirmados, e mortes pela doença no estado.

O material mostra os casos registrados na semana epidemiológica 24, que terminou no dia 15 deste mês, e foram, ao todo, 20 casos notificados e cinco confirmados. Ainda no documento, é citado o caso do paciente de Senador Guiomard, registrado já na semana epidemiológica 25, que iniciou dia 16 e encerra neste sábado (22).

Com isso, o Acre tem 21 casos notificados de meningite e seis confirmações da doença. A Saúde ressaltou que os dados podem sofrer alterações conforme os municípios do interior vão enviando os dados.

Ainda segundo o boletim, houve duas mortes pela doença no estado desde o início do ano. Uma delas foi de uma adolescente, em março, na capital acreana, Rio Branco, por meningite bacteriana não especificada. A segunda morte foi de uma criança em Tarauacá.

Casos em 2018

Embora não tenham sido divulgados pela Sesacre, em 2018, o Acre recebeu mais de 60 notificações da doença. Destas, 29 casos foram confirmados o que representa uma incidência de 3,3 casos por 100 mil habitantes.

Foram 14 de meningite não especificadas, 11 de bacteriana, duas de viral e outras duas de outras etiologias.

Meningite

A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Ela é causada por diversos agentes infecciosos (bactérias, vírus e fungos).

A meningocócica é uma meningite bacteriana e, junto com a pneumocócica, é considerada uma das formas mais graves e preocupantes da doença.

A meningite tem uma alta taxa de mortalidade e sequelas, como surdez, perda dos movimentos e danos ao sistema nervoso. As crianças são a faixa etária mais atingida, e os pacientes devem ter um acompanhamento por pelo menos 6 meses depois da doença.

Transmissão

A meningite é transmitida quando pequenas gotas de saliva da pessoa infectada entram em contato com as mucosas do nariz ou da boca de um indivíduo saudável.

Pode ser por meio de tosse, espirro ou pelo contato com barras de apoio dos ônibus, por exemplo. Por isso, ambientes com muita gente e pouca circulação de ar são ideais para o contágio, e a doença costuma se espalhar muito no inverno.

Sintomas e diagnóstico

Os principais sintomas da meningite são dor de cabeça, febre e confusão mental. Nem sempre há rigidez na nuca, e o teste não pode ser feito por um leigo apenas ao baixar a cabeça – só um médico pode avaliar o quadro corretamente.

O diagnóstico “padrão ouro” ocorre pelo exame do liquor, líquido que banha o sistema nervoso. A cor do liquor já indica se a meningite é por bactéria ou vírus.