Caso Neymar: advogado deixa de representar Najila Mendes

198

Por iG Esporte

Profissional se retirou do caso da modelo que acusa o jogador de agressão e estupro nesta segunda-feira

Danilo Garcia durante entrevista de Najila Mendes
Marcelo D. Sants / FramePhoto / Agência O GloboDanilo Garcia, terceiro advogado de Najila Trindade

O advogado Danilo Garcia de Andrade abandonou a representação de Najila Mendes na acusação de estupro movida contra o jogador Neymar. O profissional seguiu a promessa feita na semana passada de que deixaria o posto caso não tivesse acesso à integra das provas que a modelo diz ter produzido, mas ainda não revelado. Este é o terceiro representante legal da jovem a deixar o caso.

O anúncio foi feito na noite desta segunda-feira (10), durante entrevista ao SBT. “Sim, estou anunciando oficialmente nesta entrevista. (…) Devo me retirar do processo. (…) Não sou mais advogado de Najila”, declarou.

Leia também: TV francesa afasta funcionários por frases preconceituosas sobre Caso Neymar

A ação de Danilo Garcia se deu após ele ter comparecido à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher com a notícia de que Najila não disponibilizou a íntegra do vídeo que ela diz ter no celular. Logo depois, reforçou à imprensa que a modelo teria até a meia-noite para apresentar o material ou ele se retiraria – decisão que acabou antecipada, mas sem motivo oficialmente declarado.

O referido vídeo supostamente teria 7 minutos de duração e mostraria uma maior interação entre Neymar e Najila no dia posterior ao que se investiga se houve estupro . Até o momento, apenas o trecho de pouco mais de um minuto foi divulgado – e confirmado por representantes de Neymar – em que a modelo aparece agredindo o jogador.

Leia também: Após denúncia, valor de mercado de Neymar cai mais de US$ 277 milhões

Contexto

Ainda na semana passada, Najila Mendes disse que o vídeo completo estava em um tablet que teria sido roubado durante um arrombamento em seu apartamento. A polícia ainda não confirma se os indícios encontrados no local, de fato, confirmam se houve o crime, uma vez que a administração do prédio em questão nega que qualquer desconhecido tenha estado no local na hora do ocorrido.F