Com gol relâmpago e brilho de goleiro acreano, Flamengo leva a Copinha

161

 Redação Folha do Acre

O Flamengo é tetracampeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Depois de vencerem a Copinha em 1990, 2011 e 2016, os rubros-negros repetiram a façanha no Pacaembu. Em uma sólida atuação da dupla de zaga formada por Patrick e Matheus Dantas, os cariocas seguraram o ímpeto ofensivo do São Paulo e venceram, por 1 a 0, gol do centroavante Wendel nos minutos iniciais do duelo.

Também apoiado pela sua torcida, que preencheu todo o setor do tobogã do estádio municipal, o Flamengo soube explorar o cansaço físico dos paulistas para levar a taça. Depois do gol relâmpago, a equipe do Rio de Janeiro trocou bons passes, permaneceu bem postada em campo e foi impenetrável no setor defensivo.

Para ser campeão, o Flamengo eliminou Elosport, Coritiba, Audax, Avaí, Portuguesa e o São Paulo na final. O time encerra a Copinha invicto e tendo tomado apenas três gols em nove partidas.

Destaques do campeão

O goleiro Yago Darub fez alguns milagres durante os pouco mais de 90 minutos da partida. O jovem arqueiro rubro-negro foi o responsável pelo Tricolor não ter saído do zero na decisão. Foi bem pelo alto e também por baixo. Ao lado de Patrick e Matheus Dantas, Darub foi o destaque do Mengão na conquista do tetra da Copinha.

Jogo de gente grande

A final da Copinha teve alto nível técnico, principalmente no primeiro tempo. Vistos de perto por Edu Gaspar, coordenador de seleções da CBF, os garotos mostraram que têm muito bola para jogar nos profissionais de seus respectivos clubes. Infiltrações dos meias, avanços dos pontas, toques rápidos, zagueiros técnicos e times ofensivos. Valeu o ingresso.

Gol relâmpago

Ligado no jogo desde os primeiros segundos de partida, o Flamengo não se intimidou com o clima desfavorável no Pacaembu e partiu para cima. Logo aos três minutos, bola cruzada na área por João Pedro e o atacante Wendel, de cabeça, subiu mais alto que os são-paulinos para colocar a equipe do Rio de Janeiro na frente.

Bonito de se ver

Diferente de outras competições do futebol profissional, a Copinha consegue unir um clima amistoso entre torcedores rivais. Na chegada de são-paulinos e flamenguistas ao Pacaembu, a paz imperava e tanto paulistas como cariocas circulavam livremente nos arredores do estádio sem a necessidade de cordões policiais.

Lamentável

Durante o primeiro tempo, alguns torcedores do São Paulo trocaram socos nas cadeiras do Pacaembu. O desentendimento aconteceu porque alguns tricolores queriam assistir o jogo sentados, enquanto outros torciam de pé. Depois de um diálogo exacerbado, um dos envolvidos na confusão acertou um chute nas costas de seu desafeto e pancadaria começou. A polícia chegou logo depois e levou os envolvidos.

Fonte: Terra