Denúncia pelo WhatsApp leva polícia a achar 81 kg de droga

156
Após denúncia anônima, a Polícia Civil do Acre por meio da Delegacia de Repressão a Entorpecente (DRE) com apoio do Departamento de Inteligência (DI) apreendeu 81 kg de droga enterrada às margens do Igarapé São Francisco, na região do bairro Conquista, em Rio Branco.

A denúncia foi recebida por meio do número de WhatsApp da polícia [68 – 99922-1111], disponibilizado para a população na última semana. Somente nos quatro primeiros meses do ano, a Polícia Civil, através da DRE, já apreendeu mais 160 kg de entorpecentes.

O trabalho das instituições do Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) vem sendo desenvolvido com união e compartilhamento de informações.

“Nós recebemos a denúncia através do Whats App na quinta-feira e demos início às diligencias para verificar a veracidade das informações e conseguimos localizar a droga que pesada rendeu quase 82kg de maconha. Agora daremos sequencia às investigações para chegar ao proprietário do entorpecente”, declarou o delegado Pedro Resende responsável pela apreensão.

Ainda de acordo com o delegado, a apreensão é uma das maiores realizadas este ano. “Essa apreensão é uma das maiores realizadas esse ano, é um duro golpe no crime e a população têm nos ajudado muito no combate ao tráfico de droga fazendo denúncias”, finalizou o delegado Pedro Resende.

Fronteiras abertas

Mesmo com esforço do governo do Estado de combater de maneira firme a criminalidade é possível ver declínio da preocupação do governo Federal quanto ao controle das fronteiras e combate ao narcotráfico. As fronteiras permanecem abertas e sem fiscalização, atribuição essa que é do governo federal.

Só no Acre, a faixa de fronteira com os países Peru e Bolívia soma mais de dois mil quilômetros, dos quais as vias fluviais se tornaram corredores para a entrada de drogas no Brasil. Só em março e abril deste ano, a Polícia Civil do Acre apreendeu cerca de 170 quilos de drogas na região do Juruá, de onde os rios seguem para o Rios Amazonas e Solimões no Amazonas, rota historicamente usada para o tráfico e motivo de briga entre as organizações criminosas.

Assessoria PC