Governo do Acre é um dos piores no quesito Transparência

27
Quando se fala em transparência das contas, o governo do Acre é um dos piores do Brasil. Entre as 27 unidades da federação, o portal de transparência do Governo ficou em 25º, com uma nota de 6,3, está a frente apenas dos estados da Bahia e Amapá.

O levantamento foi realizado pela Controladoria Geral da União, que avaliou como estão os portais dos estados e 691 municípios. No final da contagem dos pontos o Acre ficou em antepenúltimo lugar.

A nota do estado é considerada baixa pelos padrões de exigência da lei de acesso a informação, que obriga prefeitos e governadores e informar a população como gerencia os recursos públicos.

Para Ciro Oliveira, superintendente da Controladoria no Acre, quando um gestor deixar de informar à população ele está indo de encontro à lei. “Não dá para entende, essa lei já está aí a algum tempo, já era para os gestores levarem a sério, mas infelizmente eles deixam de lado algumas informações importantes, por isso são penalizados frequentemente pelos órgãos de fiscalização”, reclamou.

A CGU avaliou também os portais de transparência das cidades com mais de 50 mil habitantes. No Acre entraram na lista as prefeituras de Rio Branco e Cruzeiro do Sul.

A capital tinha conseguido uma nota 10 na última pesquisa, mas, desta vez somou 8,66, ficando em décimo lugar entre as capitais. Entretanto, Cruzeiro do Sul, foi um teve uma das piores notas. Dos 691 municípios analisados ficou com o número 600 com uma nota de 3,86.

A controladoria geral do Acre, não aceitou os números apresentados pela CGU. O controlador Giordano Simplício, já avisou que vai recorrer e comprovar que alguns quesitos deixaram de ser analisados como: os editais de licitação, extratos de contratos, controle de diárias, detalhes de empenhos e o horário de atendimento ao público. “Todos esses itens estão na página do portal, os técnicos da controladoria não conseguiram encontrar, por isso deram nota baixa ao estado. Vamos recorrer e mostrar que estamos respeitando a lei e essa não vai mudar”, garantiu.