Júri condena réu a 14 anos de cadeia por assassinato e inocenta amigo em Epitaciolândia

172

Por Alexandre Lima

Messias (esquerda) foi considerado culpado pelo júri e deve cumprir 14 anos em regime fechado. Heliscarlos (direita), foi absolvido do crime por entender que não teve participação no crime – Foto: Alexandre Lima

O crime ocorreu na noite do último dia de 2017, no ramal Porto Rico, zona rural de Epitaciolândia. Valdemar Antonio Moreira Brandão, que estava com 21 anos, foi morto com um golpe de arma branca (faca) no peito, desferido por Messias Alves de Souza (29), que estava na companhia de Heliscarlos de Araújo Silva (24).

O motivo teria sido uma discussão em um bar que descambou para ameaças entre a vítima e o principal suspeito, que seria o Messias. Os suspeitos na época, foram identificados pelos policiais civis após investigação rápida e em menos de 24 horas, foram localizados dormindo em casa e receberam voz de prisão.

Advogado no momento da defesa dos acusados não conseguiram atenuantes a favor de Messias que foi condenado – Foto/Alexandre Lima

Passado dois anos, o julgamento aconteceu durante o dia desta terça-feira, dia 29, na Comarca de Epitaciolândia, sob o comando da Juíza Joelma Ribeiro. Dois advogados de defesa atuaram e defenderam a absolvição de Heliscarlos, que somente estava na companhia de Messias, que efetuou o golpe fatal no peito de Valdemar.

O jurado entendeu que Heliscarlos que é réu primário e sem antecedentes, não teve participação, o que resultou na sua absolvição. Já Messias, foi condenado a cumprir mais 14 anos de cadeia, sem direito a recorrer por entender que o crime foi por motivo torpe e sem direito de defesa por parte da vítima.

Familiares da vítima estiveram presentes no julgamento – Foto: Alexandre Lima