Bares e restaurantes devem ser os mais prejudicados com toque de recolher no Acre

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Anúncio do toque de recolher foi feito nessa sexta-feira (22) durante a coletiva do Comitê de Acompanhamento especial da Covid-19 que reclassificou as regionais do Alto Acre e Baixo Acre e Purus para as faixas vermelha e laranja, respectivamente.

Após o governador Gladson Cameli anunciar que estado vai adotar toque de recolher a partir da próxima semana, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Seccional Acre (Abrasel-AC) lamenta a medida e afirma que o setor de bares e restaurantes é o mais prejudicado.

O anúncio do toque de recolher foi feito nessa sexta-feira (22) durante a coletiva do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19 que reclassificou as regionais do Alto Acre e Baixo Acre e Purus para as faixas vermelha e laranja, respectivamente. A regional do Juruá/Tarauacá permaneceu na fase amarela, que é de atenção. Presente na reunião, o governador anunciou a medida e também o cancelamento do carnaval.

Cameli informou sobre a publicação de um decreto de restrição de circulação, que prevê toque de recolher das 22 horas às 6 horas. A medida vale para todas as regionais, independente da faixa em que estão. A previsão é que o decreto seja publicado na próxima segunda-feira (25).

“Estou determinando o toque de recolher das 22h às 6h. Nós não queremos aqui, de forma alguma, prejudicar ninguém. Não quero que achem que isso é retaliação. Isso é para alertar o povo que a Covid não passou e que as pessoas têm que nos ajudar”, disse.

Mesmo com alguns empresários pensando em alternativas como abrir os estabelecimentos mais cedo, o presidente da Abrasel, Paulo Brum , afirma que o setor será o mais prejudicado.

“Mais uma vez o nosso setor será o mais prejudicado com esse toque de recolher, pois o comércio em geral não está mais aberto. Sabemos que esse aumento no número de casos não é culpa dos restaurantes, como ficou evidente na campanha política e, agora, com as festas de final de ano”, criticou.

Brum diz que com o toque de recolher, a maioria dos restaurantes já vão ter que impedir a entrada do cliente por volta das 21h30.

“Pois não dará tempo de sentar, pedir, preparar a comida, comer confortavelmente e sair até as 22 horas. Então, nos restou pouco mais de 3 horas para trabalharmos. A partir desse horário também cai o delivery, as pessoas já pediram sua comida, então, não é o que vai salvar”, acrescentou.

O presidente afirmou que muitos do setor estão falando em abrir uma hora antes. “Mas, sabemos que aqui as pessoas saem mais tarde. Esperamos que os clientes nos ajudem nesse momento com muita compreensão para que cheguem mais cedo e possam aproveitar a noite”, concluiu.

G1