Casos de dengue disparam e lotam hospitais no Alto Acre

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Ac24Horas

Consequência pontual das chuvas do chamado inverno amazônico, os casos suspeitos ou confirmados de dengue começaram a crescer nos municípios da regional do Alto Acre a partir de dezembro do ano passado, mês em que as notificações da doença costumam se elevar consideravelmente, todos os anos, em praticamente todo o estado.

Este mês de janeiro de 2021 se iniciou com muitas internações sendo registradas no hospital regional Raimundo Chaar, de Brasiléia, e no hospital Dr. Epaminondas Jácome, de Xapuri, esse último onde deu entrada um bebê que foi a óbito, no último domingo, 3, após ser transferido para Rio Branco, com sintomas de dengue hemorrágica.

A criança, que foi sepultada na manhã desta segunda-feira, 4, também teria contraído covid-19, segundo disse uma fonte ligada à família da vítima, mas essa informação ainda não tem confirmação oficial da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), segundo informou ao ac24horas o secretário municipal de Saúde de Xapuri, Wagner Menezes, que sequer tinha conhecimento do óbito.

Em Brasiléia, uma paciente que deu entrada no hospital regional Raimundo Chaar relatou que a situação na unidade era de superlotação na tarde desta segunda-feira, com pessoas recebendo medicação sentadas, como mostra uma imagem enviada por ela, que disse ainda haver apenas dois médicos responsáveis pelos atendimentos nesta segunda-feira.

De acordo com a gerência do hospital regional de Brasiléia, houve um aumento expressivo de casos de dengue nos últimos três meses do ano passado, sendo que 70% das internações ocorridas naquela unidade no mês de dezembro passado tiveram diagnósticos positivos para dengue. Segundo o relatório do último mês do ano, foram mais de 300 notificações de dengue registradas.

O enfermeiro Janildo Moraes Bezerra, diretor do hospital, enfatiza a situação: “Aqui em Brasiléia estamos com a ocorrência de muitos casos de dengue, inclusive em quantidade superior à covid-19. Diariamente, o hospital atende dezenas de pessoas com sintomas que vão desde a dengue clássica à dengue hemorrágica, que é a manifestação mais grave da doença”, explicou.

Uma outra situação preocupante é informada pela gerente de Assistência do hospital de Brasiléia, Joelma Pontes. Ela diz que o cenário causado pela alta dos casos de dengue e pela pandemia de covid-19 tem sobrecarregado o atendimento, com muitos servidores afastados por serem do grupo de risco e outros contaminados pela doença causada pelo coronavírus.