Colunista político inclui candidatura de Eduardo Ribeiro ente as bem articuladas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

ARTICULAÇÃO FORTE

QUEM ESTÁ numa articulação forte para deputado estadual é o advogado Eduardo Ribeiro (PSD). Vem de uma família de políticos. O pai, conselheiro do TCE, Valmir Ribeiro, foi deputado estadual pelo MDB. E, seu tio Delegado Messias Ribeiro (MDB), foi prefeito de Brasiléia.

Hora de ver quem tem café no bule

EM ELEIÇÕES PASSADAS era muito mais fácil se eleger deputado federal. A legislação permitia se lançar até 16 candidatos, e os partidos podiam se juntar em coligações proporcionais, somar votos, e eleger parlamentares com baixa votação.

Com a lei eleitoral modificada, cada sigla só poderá lançar em 2022, 9 nomes. E destes, tem uma parcela reservada às mulheres. Como o teto para eleger alguém deve ficar entre 53 mil a 57 mil votos, terão que ser candidatos com boa votação, não se pode pegar qualquer um no laço como era comum – mas, ter uma chapa competitiva.

Quem tiver menos de 10 mil votos não vai aparecer nem na foto. A nova lei é boa, porque vai exigir que cada candidatura terá que se virar só, porque não poderão mais fazer alianças.

Na eleição para a Câmara Federal, no próximo ano, será a hora de saber quais dos atuais deputados federais terão café no bule. Os caminhos para Brasília ficaram mais estreitos e difíceis.

NOVOS CAMINHOS

A DEPUTADA FEDERAL Jéssica Sales (MDB) tem um reduto forte e cativo no Juruá. Tem sido uma presença constante em eventos políticos no Alto Acre e, principalmente, na capital, na busca de novos caminhos, onde é pouco conhecida. Comunicativa, ela vai longe.

NÃO TEM FICHAS

O VICE-GOVERNADOR Major Rocha não tem fichas para derrubar o senador Márcio Bittar e o deputado federal Alan Rick (DEM), pelo comando da fusão PSL-DEM.

FICHAS NA MESA

O SENADOR MÁRCIO BITTAR vai chegar na mesa de negociação com o governador Gladson, para defender que a Márcia Bittar seja a sua candidata ao Senado, com cinco siglas aliadas. São o PTB-PSC-REPUBLICANOS- Fusão do PSL-DEM, PSDB e SOLIDARIEDADE. São as suas cartas.

EXTREMAMENTE BOLSONARISTA

DOS CANDIDATOS AO GOVERNO em 2022 a deputada federal Mara Rocha (deve ir para o PL) é a única que pode ser chamada de “extremamente bolsonarista”.

ATÉ NAS PAUTAS NEGATIVAS

A DEPUTADA FEDERAL MARA ROCHA esteve sempre ao lado do presidente Jair Bolsonaro até nas suas pautas mais malucas, radicais, antidemocráticas e negativas.

CANDIDATURA DESCOLADA?

O EX-PREFEITO de Senador Guiomard, James Gomes, trabalha sua candidatura para deputado estadual. A  dúvida  no caso é saber se ele apoiará a senadora Mailza Gomes (PP), com quem foi casado por longos anos?

TEMPOS BICUDOS

A FPA teve até 13 partidos na sua composição apoiando as gestões do PT. Fora do poder, a aliança do PT para 2022 terá apenas o conglomerado PCdoB-PSB-PV. O PSOL vai de solo próprio, para o governo como para o Senado.

INVESTIU PESADO

NÃO SE PODE NEGAR que, o governador Gladson investiu pesado em pessoal e equipamentos no sistema de segurança. E, que o secretário Paulo Cézar tem seu mérito nas ações que reduziram os índices de criminalidade.

COMEÇAR A SE PREOCUPAR

O PROFESSOR MINORU KINPARA (PSDB), terceiro colocado na disputa da PMRB, tem de começar a se preocupar com a formação de uma chapa com nomes competitivos, se quiser se eleger deputado federal. Até aqui, o PSDB não tem nem o esboço de uma chapa.

ESPERANDO O RESCALDO

O SENADOR Sérgio Petecão (PSD) pretende antes ver o que virá do rescaldo dos descontentes da escolha do candidato ao Senado do grupo do Gladson Cameli, para definir quem vai figurar na sua chapa para senador.

FORTE EM DOIS CENÁRIOS

O EX-SENADOR Jorge Viana (PT) joga em dois cenários para voltar ao protagonismo político no estado. Primeiro é se eleger senador. Não se elegendo, mas o Lula sendo eleito, o JV entra no jogo como ministro. Só vai para o purgatório se não se eleger, e se o Lula não ganhar.

VAI PARA AS URNAS

O PRESIDENTE DO PT, Cesário Braga, que sempre esteve atuando na montagem de chapas do partido, desta feita vai para a briga pelos votos, como candidato à ALEAC.

PASSANDO LONGE

O GOVERNO do Gladson Cameli tem uma oposição que não é omissa, mas bem longe da oposição sofrida pelo tio e ex-governador Orleir Cameli, massacrado na sua honra, principalmente pelo time de parlamentares do MDB.

NA SOMA GERAL, É POSITIVA

A VACINAÇÃO pela prefeitura de Rio Branco teve os seus pontos fora da curva, mas no somatório dos prós e contra, teve mais acertos que erros. Hoje, funciona bem.

SEGURO MORREU DE VELHO

O DEPUTADO José Bestene (PP) não vai ser candidato a deputado federal, como andou ensaiando, disputará a reeleição. É a velha história que, seguro, morreu de velho.

GOLPE NOS NANICOS

A NOVA LEGISLAÇÃO eleitoral foi um golpe duro nos pequenos partidos. Como não haverá coligação proporcional, perderam a importância no jogo. E, se quiserem almejar algo, terão que ter candidatos próprios.

DOIS VÃO PULAR FORA

DOS cinco nomes do grupo do governador Gladson Cameli que estão postulando o Senado, dois deles devem acabar buscando uma reeleição para deputado federal.

SE NÃO FOR BLEFE…..

TENHO ENCONTRADO muitas pessoas que manifestam o voto no ex-prefeito Marcus Alexandre a deputado estadual. Se as intenções forem transformadas em votos, e não for blefe, deverá ter uma votação bem expressiva.

FORA DA POLÍTICA

O MP tem de ser livre. Imoral, pois, este projeto de emenda constitucional que permite a ação de deputados em ingerência na formação do Conselho Nacional do MP.

TEMPO CORRE

ATÉ O MOMENTO, não se tem um movimento claro do governador Gladson Cameli se vai anunciar o seu candidato ao Senado até dezembro, como querem alguns grupos políticos. O tempo corre e continua a indecisão.

CARA PRÓPRIA

PARTIDO que quer crescer não pode ser puxadinho dos grandes partidos. O PSOL vai no caminho certo, quando lança dois nomes qualificados para cargos majoritários. O do advogado Sanderson Moura ao Senado, e do professor Nilson Euclides para o Governo. O resto é com o eleitor.

FRASE MARCANTE

“Brigar por política no atual cenário, é o mesmo que ter crime de ciúmes na zona de prostituição”. Autoria desconhecida.