Com desconto salarial, servidores da educação correm risco de passar fome em Epitaciolândia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Da Redação

Assim que receberam os seus salários nesta terça-feira 26, os servidores da educação do município de Epitaciolândia, perceberam descontos abusivos em seus contracheques. Segundo a gestão os descontos de 10% em cima do salário bruto e das gratificações foi devido ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) anular a lei do reajuste do então prefeito André Hassem.

Lembrando que o TCE não anula lei, o TCE recomenda. O atual prefeito Sérgio Lopes (PSDB), pode fazer justificativa de que Prefeitura pode manter o reajuste, por não estar na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e o TCE avaliar e acatar.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, esteve no TCE, e não encontrou nenhum acórdão obrigando o prefeito fazer o desconto, Segundo a professora, o acórdão que tem e do ex-Prefeito Tião Flores (Progressista), da gestão passada.

“É crime pagar menos que o salário mínimo, reduzir Salario também é Crime, são seis anos que os trabalhadores vem recebendo este reajuste de 10%, direito adquirido. “Pagar 400 reais, para uma funcionária é desumano e criminoso, Muitos funcionários vão receber 500, 400 reais, Pergunto a população em geral se isto não é desumano? Como comprar o feijão, arroz, carne e leite? Não podemos aceitar esta redução de salário de forma cruel”. Desabafa Rosana Nascimento.

“Gente, tudo aumentou, como vou viver recebendo 400 e um pouquinho? Meu Deus tenho família como todos aqui. Pra ti tem lei, só não tem lei pra eu receber um salário um pouquinho decente, já estava difícil manter as contas em dia ganhando o que eu ganhava, agora é que não vai dar mesmo, misericórdia”. Lamenta uma funcionária da educação.

Nas redes sociais, a reclamação dos servidores da educação de Epitaciolândia foi generalizada. Em sua pagina no facebook a servidora Tânia Marques Rodrigues, desabada que nunca havia sido tão humilhada como funcionária pública nos 17 anos de serviços prestados ao município. “…Estou digitando e as lágrimas caindo, como vou sustentar minha casa com 400 reais…?”, escreveu ela.

Nossa redação do portal www.sentineladafronteira.com.br recebeu prints de mensagens do grupo de whatsapp do Sinteac de Epitaciolândia, onde os funcionários seguem sem entender e contestando os descontos em seus salários, ao que se percebe há uma ausência grande de informações por parte do sindicato e da prefeitura.

Em outros momentos, por muito menos o sindicato dos trabalhadores em Educação de Epitaciolândia fazia mobilizações e paralisação, principalmente em busca de aumento salarial, é de se estranhar o silencio quando a categoria tem é percas em seus benefícios.

Vejam alguns contracheques