Fiscalização de aglomerações será mais rígida nas quatro cidades do Alto Acre

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

As prefeituras de Xapuri, Brasiléia, Assis Brasil e Epitaciolândia, que formam a regional em saúde do Alto Acre, prometem tornar mais rígida a fiscalização de aglomerações nas ruas e do toque de recolher imposto pelo governo. O objetivo é frear a curva de contaminação nos municípios, evitando sobrecarga do sistema de saúde e novos óbitos pela Covid-19.

Atualmente, as quatro cidades são as únicas do Acre que se encontram na bandeira vermelha, a mais restritiva na classificação do nível de risco da pandemia de coronavírus.

Na manhã desta quarta-feira (27), prefeitos e representantes das prefeituras se reuniram para traçar estratégias para conter o avanço da pandemia. A ideia é trabalhar de forma conjunta para que os quatro municípios mudem o cenário ao mesmo tempo, uma vez que a circulação de pessoas entre as cidades é frequente por conta da proximidade.

Participaram do encontro a prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem (PT),o prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos (PT), o vice-prefeito de Epitaciolândia, professor Soares (Pros), além de representantes da Polícia Militar do Acre (PMAC) e gestores da área da saúde.

A partir de agora, as forças de segurança vão agir, de forma pacífica, para dispersar aglomerações em ambientes públicos. O uso da força não está descartado em caso de desobediência. A fiscalização de setores e atividades não essenciais, impedidas de funcionarem na bandeira vermelha, também será intensificada. Os estabelecimentos que descumprirem as determinações sanitárias serão multados.

O secretário de Saúde de Brasiléia, João Melo, explicou que carros de som percorrerão as principais vias das cidades para alertar a população sobre a importância de ficar em casa até que os novos casos de coronavírus voltem a cair.

Sobre o possível fechamento da fronteira com o Peru e a Bolívia, o grupo informou que a decisão é de responsabilidade federal. Nesta semana, o governador Gladson Cameli solicitou em Brasília o fechamento, no entanto nenhuma decisão foi tomada até o momento.

Situação

O somatório de contaminações em toda a regional é de mais de 5,3 mil. Sessenta e seis pessoas já morreram nos quatro municípios. A situação é mais grave em Xapuri e Assis Brasil, que lideram a proporção de casos em todo o estado.

Epitaciolândia, por sua vez, tem a segunda maior taxa de letalidade do Acre, com 2,5% dos contaminados indo a óbito, atrás apenas de Porto Acre (2,7%). Já Brasileia ocupa a quarta posição em número absoluto de mortos, com 24, perdendo só para Rio Branco (539), Cruzeiro do Sul (74) e Feijó (30).

O que disseram

“Lamentavelmente estamos na bandeira vermelha, isso significa que só pode funcionar serviços essenciais. Estamos perdendo vidas, as aglomerações estão grandes em bares restaurantes e mercados, e por isso vamos tomar medidas. Pedimos encarecidamente a colaboração da população” – Fernanda Hassem, prefeita de Brasiléia.

“Não é simples resolver uma situação dessas. É uma doença que tira vidas. Somos gestores e precisamos ser responsáveis por medidas que possam salvar vidas. Apesar de todos os esforços, a doença cresce. Então vamos cumprir o decreto do Governo e fiscalizar junto com a polícia” – Bira Vasconcelos, prefeito de Xapuri.

“Ontem perdemos duas pessoas, um membro de nossa equipe, secretário, então precisamos estar unidos para vencer essa pandemia. Temos 22 óbitos, precisamos sair da bandeira vermelha, não e só os prefeitos, é cada pessoa fazer sua parte e em 15 dias sairemos da bandeira vermelha” – Soares, vice-prefeito de Epitaciolândia.