Mesmo perdendo na justiça, Mesa Diretora da Câmara de Xapuri permanece nos cargos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
 Da redação ac24horas

Em março passado, o juiz Luís Gustavo Alcalde Pinto, titular da Vara Única de Xapuri, havia deferido um pedido de liminar em um mandado de segurança para suspender o ato deliberativo de escolha dos membros da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Xapuri, realizado no dia 1º de janeiro deste ano.

O mandado de segurança foi impetrado pelos vereadores Ronaldo Cosmo Ferraz (MDB), Alarice Botelho Nunes (PT), Elias do Nascimento Melo, mais conhecido como Menudo (PSD) e José Maria Miranda (PT). Eles alegaram supostas máculas e vícios na eleição da Mesa Diretora referentes a não observância da proporcionalidade partidária.

Apesar de ter cinco partidos ocupando as 9 cadeiras de vereador na Câmara de Xapuri, a Mesa Diretora está composta por representantes de apenas 2 partidos, o PSB e o DEM, por meio dos vereadores Eriberto Mota (PSB), Dim Lopes (PSB), Kaíco Roque (DEM) e Clemilton Lima (DEM). Ficaram excluídos dos cargos de direção da casa PT, MDB e PSD.

A decisão que acatou o pedido de liminar determinou que uma nova eleição fosse realizada, o que ocorreu dentro do prazo estabelecido pela Justiça. No novo processo de escolha dos integrantes da Mesa Diretora, os vereadores que impetraram o mandado de segurança não compareceram, o que fez com que a composição da direção da Câmara continuasse sem a devida proporcionalidade.

Agora, com o julgamento do mérito da ação, o segundo processo de escolha dos membros da direção da casa, que confirmou o vereador Eriberto Mota, do PSB, como presidente, se mantém válido. De acordo com o juiz, o mandado de segurança tinha como objeto apenas o pedido de nulidade para o primeiro processo de eleição da Mesa Diretora.

“Sobre a segunda eleição não há nenhuma provocação ao Judiciário para decidir se essa nova eleição foi ou não válida, e não é possível enfrentar essa tese dentro do mandado de segurança que tem a instrução probatória bem reduzida. É possível ainda haver discussão sobre a nova eleição? Sim, é possível, mas por meio de nova ação no Poder Judiciário”, explicou.

A reportagem tentou entrar em contato com o advogado que representou os vereadores que impetraram o mandado de segurança, para saber se o processo ainda vai ter continuidade, mas não obteve sucesso até o fechamento desta matéria.