Peru autoriza exportação de carne suína

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

 Marcos Venicios 

O governo peruano publicou nesta quarta-feira, 5, uma resolução do Departamento de Saúde Animal Agrária Nacional reconhecendo o Brasil como exportador de carne suína para o país e as condicionantes para habilitação dos frigoríficos que venderão a matéria prima. Com a decisão, a Industria Dom Porquito, localizada na zona rural da cidade de Brasiléia, deverá ser habilitada nos próximos meses e com a nova demanda poderá triplicar o abate de animais e criar até 300 novos empregos diretos na região.

A decisão do governo peruano foi comunicada pela Ministra Tereza Cristina, da pasta da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, ao senador Márcio Bittar (MDB), que comemorou a ampliação de negócios que beneficiará diretamente o Acre. “Hoje a Ministra me deu a boa notícia onde a Dom Porquito, indústria acreana, terá a oportunidade aumentar a produção, o que significa dizer que vai ter mais colonos envolvidos, mais gente para produzir e isso poderá gerar rapidamente centenas de empregos”, disse o Congressista.

A expectativa é que entre os meses de maio e junho uma comitiva peruana desembarque no Acre para habilitar dois frigoríficos, sendo um de suíno que é a Dom Porquito, e outro de carne bovina, que é o Frigonosso. O roteiro de visita já está definido exclusivamente para o Acre dando ênfase nas duas plantas frigoríficas do Estado.

O diretor comercial da Dom Porquito, Paulo Santoyo, afirma que a indústria não exportava para o Peru. “Nós não exportamos para o Peru. Eu passo lá por dentro para ir para vários destinos do mundo. Eles nos deixavam transitar com nossas carretas, usando os portos deles”, explicou o CEO da Indústria. Atualmente a carne suína do Acre é exportada para Hong Kong, Uruguai, Bolívia e também está em fase de habilitação para vender também para o Vietnã, Cingapura e Coréia do Sul. “Já estamos em trâmite para exportar para Cuba, Chile, e já solicitamos habilitação para o Japão, República Dominicana e Trinidad e Tobago”, revela o empresário.

Para Santoyo, a entrada do Peru no radar do Acre vai render bons negócios. “É um país que demanda muita carne, principalmente para industrialização. Eles demandam muita matéria prima e essa matéria deles hoje vem do Canadá, dos Estados Unidos, da Espanha, então a gente acredita que possa substituir esses provedores. Vai ser o Grande Plus que a Dom Porquito almejou. Ela foi construída com o intuito de exportar para esses países vizinhos como Bolívia, Chile, Peru e Colômbia. Então acredito que o Peru e o Chile se consolidam ainda esse ano. Com isso a Dom Porquito dobra ou triplica o seu abate de suínos que atualmente é de 300 animais. Com o negócio consolidado, mais de 300 empregos diretos podem ser gerados nos próximos meses, e com isso somaremos esse número com os 350 vagas de trabalho diretas que já temos”, frisou.

O CEO da Dom Porquito enfatiza que a habilitação dos frigoríficos acreanos para o mercado peruano vai gerar um efeito cascata de aumento de produção local. “Com isso, o pessoal vai investir mais na produção de suínos e também na produção de grãos que este ano o cenário já mudou com a safra recorde. O Acre é outro Estado este ano na produção de grãos e a tendência é que em 2022 dobraremos essa produção . Eu não tenho dúvida que o setor do agronegócio não para daqui para a frente”, reforçou.