Petistas arquitetam tomada do PDT no Acre

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Willamis Franca

Após o resultado nas eleições de 2020 e prestes a sucumbirem em meio à onda do antipetismo, figurões do Partido dos Trabalhadores do Acre (PT), em uma articulação liderada pelo ex-senador Jorge Viana, tentam em Brasília, tomar o comando do PDT no Acre.

Segundo informações de uma fonte ligada ao grupo petista, Jorge Viana teria convencido os correligionários que o PDT seria a sigla para acolhê-los. A estratégia teria o intuito de driblar a imagem negativa do membros do PT no estado.

A narrativa é de que o ex-senador aposta no seu questionável prestigio nos bastidores da política brasiliense com intento de convencer o presidente da nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Carlos Lupi.

A reportagem entrou em contato com Carlos Lupi, que afirmou não ter sido procurado ainda. Mas adiantou que qualquer “movimento” neste sentido será frustrado. “Aí no Acre temos o Tchê. Ele é quem comanda o PDT e nós temos respeito pelo bom trabalho que vem desenvolvendo. Aí quem decide é ele”.

O dirigente do partido no Acre, deputado Luís Tchê, disse que é natural a disputa, mas que considera que o grupo petista deveria, antes de qualquer coisa, conhecer a história do PDT, que sempre preservou, ao longo da trajetória, seus membros e ideais.

“Vejo como sendo natural, o PDT chama atenção pelo crescimento no estado, é um exemplo de renovação. Mas não somos um partido de aluguel, nem um conglomerado de políticos que só pensam em eleições. Nós temos respeito e, sobretudo, compromisso com a sociedade na busca por um Acre melhor”, disse Tchê.

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) foi um dos partidos que mais cresceu em todo o estado do Acre, elegendo 3 prefeitos e 13 vereadores. Foi a sigla nominalmente com mais votos e fez a vereadora mais votada de Rio Branco, além de ter disputado a prefeitura da capital como vice na chapa de Socorro Neri (PSB).

A estratégia revela a crise instaurada no Partido dos Trabalhadores (PT). O encolhimento da sigla ficou escancarado após as eleições municipais e a derrota em diversas capitais do país. No Acre, o PT reuniu o time de ex-governadores, Jorge Viana e Binho Marques, e ex-prefeitos, Raimundo Angelim e Marcus Alexandre em uma força tarefa para Daniel Zen, que passou longe da vitória com apenas 7.121 votos.

Nesta trama, o desespero é roteirizado pelo ex-senador Jorge Viana e sua trupe, que ao verem o velho “navio vermelho” naufragando e a “água batendo no pescoço”, decidem pular da embarcação e como piratas, subirem a bordo do transatlântico pedetista.

Até o encerramento desta reportagem, o ex-senador Jorge Viana não atendeu às ligações feitas para tratar do tema.