Em Posse como prefeita de Cobija, Ana Lucía chora ao lembrar das vítimas da covid-19

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Sol de Pando em Cobija

Ao finalizar a saudação às autoridades e convidados que compareceram ao ato de posse realizado na manhã desta quarta-feira, 5 de maio, a nova prefeita de Cobija lembrou os que morreram em seu ambiente devido ao coronavírus, incluindo uma tia sua, e ela conteve as lágrimas de um choro que cortou suas palavras.

Ana Lucía Reis estava prestes a ler seu rigoroso discurso escrito para a ocasião, mas a emoção da memória de seus parentes que sucumbiram à pandemia a obrigou a improvisar suas palavras ao lembrar que Víctor Hugo Molina Roca, jovem intelectual que motivou sua campanha eleição com rendição incondicional, sem pedir nada em troca, morreu da Covid em 20 de março, duas semanas após as eleições.

Aquele momento de intensa emoção foi amenizado quando ao final de seu discurso espontâneo a prefeita ergueu uma taça de vinho e pediu para brindar a saúde do povo de Cobijeños, para que a união de todos os habitantes do município seja a única possível estratégia para superar as consequências. eventos trágicos da pandemia.

A posse ocorreu no último dos três dias estipulados no Calendário Eleitoral (3, 4 e 5 de maio) para o referido ato. O motivo foi forte porque a transição esbarrou em muitas lacunas informacionais deixadas pela gestão do ex-prefeito Gatty Ribeiro, cuja gestão é considerada uma das piores da história do município de Cobija, criticada abertamente até mesmo pelo magistrado Luis Gonzalo Vargas que a levou escritório hoje para o novo prefeito.

Invocação à unidade dos Cobijeños

O juramento e posse do Prefeito e dos vereadores do novo Governo municipal de Cobija foi-lhes dado pelos magistrados do Tribunal de Justiça Departamental chefiado por seu Presidente, Juiz Luis Gonzalo Vargas Terrazas, Decano Delfín Humberto Betancourt Chinchilla, o vocal da Câmara Constitucional Celsa Salazar Rodas e os membros David Zeballos Burgoa e Miguel Ángel García Solares.

Depois de lembrar as vítimas do Covid, a prefeita Ana Lucía Reis anunciou que em homenagem a elas iniciará seu governo, cumprindo prioritariamente todas as suas principais propostas eleitorais voltadas para o fortalecimento das defesas municipais contra o coronavírus.

No entanto, ele alertou que seus propósitos podem falhar se a gestão não for apoiada por toda a sociedade civil, acima de interesses políticos e siglas partidárias.

“ Nós, como município, não alcançaremos nossos objetivos se não andarmos de mãos dadas ” , disse Ana Lucía Reis. “ Uma cidade limpa e organizada só será possível com todo o nosso povo organizado; Nós precisamos trabalhar juntos. A autoridade sem o povo não pode fazer muito ”.

“Nosso partido político é o povo”

O prefeito de Cobija convocou líderes políticos que competiram contra ela durante a campanha eleitoral para se juntarem à sua gestão. Ele pediu a unidade dos membros da nova Câmara Municipal, tirando as siglas de seu partido. “Tenho confiança nos vereadores, são pessoas muito humanas, faremos um bom trabalho”, previu.

” Vamos esquecer o partidário, vamos todos na mesma direção “, disse ele. ” Nosso partido político é o povo .”

Ele agradeceu às lideranças locais do Movimento do Terceiro Sistema (MTS), presentes no evento, por emprestar a sigla para participar das eleições, quando outras portas foram fechadas. ” Obrigado, e também trabalharemos junto com você “, disse ele.

“ Nosso povo precisa de pessoas diferentes ”, disse ele em um dos destaques de seu discurso espontâneo. ” Alguém me disse outro dia que nosso povo não está acostumado com gente como você, nosso povo está acostumado com os políticos como eles estão, sempre esperando algo em troca, não está acostumado com pessoas que são mais humanitárias, mais humanas .”

Urgência da Carta Orgânica Municipal

Em ato anterior à posse do Prefeito, os magistrados prestaram juramento aos novos membros do Conselho Municipal de Cobija. Os seguintes cidadãos são conselheiros titulares do órgão deliberativo e fiscalizador do município: Giovana Castedo Pérez, Yusara Melena Revollo, Mirlo Aurelio Rodríguez Ibáñez, Francisco Vaca Zelada, Felipa Carmela Apaza, Daniela Domínguez Arias, Sofia Yanapa Yucra, Ivana Villavicencio Terrazas, Fernando Moreno Vaca, Fernando Fernández Tirina e Juan Manuel Ruiz Moscoso. Os suplentes são: Paolina Irene Velásquez Ferrufino, Miguel Miranda Maita, Flora Aguilera Burgos, Ángela Cortés Marupa e Jhon Caoll Suárez Maradey.

Devido à estreiteza da plataforma judicial, os onze conselheiros titulares tiveram de ser divididos em dois grupos para prestar juramento.

O magistrado Luis Gonzalo Vargas Terrazas, Presidente do Tribunal de Justiça Departamental de Pando em cujo palácio foram empossadas e possuídas as novas autoridades municipais de Cobija, cumprindo o procedimento que estipula uma antiga norma da Lei Eleitoral, disse que após a eleição de um próximo governo, os vereadores devem ser os vereadores que possuem o prefeito (como o presidente do Estado que jura no Parlamento), e não os juízes; para o que é imprescindível a efetivação da Carta Orgânica Municipal que possibilite este novo salto regional.

A referida Carta Orgânica elaborada durante a primeira gestão da Prefeita Ana Lucía Reis, em 2013, teve que ser aprovada pelo Tribunal Constitucional em novembro de 2018; mas até hoje permanece estagnado nessa instância.

“ Os membros deste Tribunal de Justiça Departamental estão honrados por ainda termos podido dar esta posse ” – comentou o juiz Vargas -; “ Mas se o município de Cobija já tivesse seu regimento aprovado, com certeza seria esse mesmo Conselho Municipal que assumiria o nosso executivo municipal ”.

O Presidente da Magistratura, assumindo-se como cidadão comum do município de Cobija, manifestou o seu desprezo pela gestão municipal que hoje se conclui.

“ Esses cinco anos que tivemos que aguentar vendo nossas ruas… a imagem de Cobija é a imagem de Pando para o mundo inteiro… cada governo municipal deve tentar mostrar mudanças positivas… sabemos que dona Ana Lucía Reis vai, já sabemos ela, sabemos que podemos esperar o melhor dela. Estamos nas vossas mãos para promover o desenvolvimento da maior cidade do departamento, é isso que queremos todos nós que vivemos e amamos esta terra do trabalho que vais realizar (autarcas e vereadores) … esperamos que no final desta gestão sentimo-nos como hoje regozijando-nos e felizes por os termos possuído ”, concluiu o magistrado.